TCGL - Transportes Coletivos Grande Londrina

COMPROMISSO COM VOCÊ!

Home

Informativos

Publicado em 29/09/2014 11:25

OUTUBRO

Mês de Conscientização do Câncer de Mama!

CÂNCER DE MAMA!

A TCGL apoia essa causa, foi pensando VOCÊ que a relacionamos alguns tópicos abaixo para lhe ajudar:

O que é a mama? 
A mama é uma glândula da pele que modificou-se e com estímulo de hormônios pode produzir leite, geralmente com uma gravidez.

O que é o câncer de mama?
Como todos os outros tipos de câncer. As nossas células possuem informações chamadas genes que mostram como devem ser suas tarefas. Quando ocorrem erros nesses genes, as células perdem sua função normal e passam a desenvolver atividades anormais, como, por exemplo, um crescimento desorganizado, formando o que chamamos de tumor. Isto também pode acontecer nas células das mamas e é o que chamamos de câncer de mama maligno.

Como realizar a prevenção do câncer de mama?

O câncer de mama na verdade ainda não pode ser prevenido, mas sim diagnosticado o mais cedo possível. Para isto recomenda-se que as mulheres conheçam seu corpo desde que apresentem o crescimento das mamas na adolescência. O auto-exame das mamas, hoje em dia, deve ser chamado de auto-cuidado, e pode ser feito pelo menos uma vez ao mês, preferencialmente no mesmo dia do mês para que as mulheres se familiarizem com suas mamas.
 
Após os 40 anos, a mamografia começa a ser um exame importante para a detecção da doença e recomenda-se que seja feito pelo menos uma vez por ano a partir daí. Todas as mulheres deveriam procurar um mastologista para acompanhamento e exame anual durante sua vida, mas principalmente a partir dos 40 anos.
 
Sintomas do câncer de mama
 
Geralmente o câncer de mama não apresenta sintomas no início. A partir do momento que começa a ser palpável, pode estar associado a um caroço na mama. Também pode ser representado por áreas de abaulamentos ou retrações de pele. Manchas ou alterações na pele da mama. Ainda pode estar ligado com saída de líquido do bico da mama, geralmente no caso do câncer estes líquidos são sanguinolentos ou semelhantes à cor da água de geladeira ao descongelarmos o congelador.
 
Ao contrário dos que muito pensam, a dor mamária é um sintoma muito comum das mulheres, mas raramente esta associada ao câncer de mama. A dor das mamas geralmente possui causas ligadas a alterações hormonais ou emocionais.

 

Diagnóstico do câncer de mama

Para se descobrir um câncer de mama, ele pode ter sido notado no exame clínico (médico) ou por exame de imagens (mamografia, ultra-som ou ressonância). Uma vez tendo a suspeita o médico mastologista realizará uma biópsia. Esta biópsia pode ser uma pequena cirurgia ou com agulhas. Desta forma consegue-se retirar pedaços do tumor que vão para exame com o médico patologista, quem dirá se a alteração é ou não um câncer.
 
Quais são os exames necessários para realizar o diagnóstico?
 
Além da mamografia, outros exames serão solicitados caso o médico ache necessários - como no caso do ultra-som e da ressonância. Estes exames não substituem a mamografia, apenas auxiliam na descoberta da doença.
 
Uma vez com o câncer, serão necessários exames para estadiamento, ou seja, ver a progressão da doença no corpo. Neste caso serão pedidos exames de sangue, Raio-x de tórax, Ultra-som de abdome e cintilografia óssea, entre outras específicas para cada caso e a critério médico.

Orientações para enfrentar o tratamento de câncer de mama

A principal sugestão é o esclarecimento. Não deixe de tirar todas as suas dúvidas. Anote sempre quando surgirem e traga na consulta para que podemos esclarecê-las. Quando uma paciente sabe aquilo está acontecendo, isso pode auxiliar no seu próprio tratamento. Além disso, o Hospital conta com equipe de psicologia para propiciar um suporte para as pacientes.
 
Tratamento do câncer de mama
 
Os tratamentos para o câncer de mama resumem-se em clínicos e cirúrgicos. Os cirúrgicos envolvem os tratamentos conservadores, aqueles que preservam a mama como as tumorectomias, quadrantectomias e os radicais - conhecidos como mastectomias.
 
A maioria dos cânceres de mama podem “metastatizar” para a axila, portanto a avaliação axilar pode ser feita através do linfonodo axilar ou dissecção axilar quando a sentinela possui células neoplásicas. Hoje em dia, há uma modalidade conhecida como oncoplásticas, ou seja, tratamentos conservadores que usam técnicas de cirurgia plástica para o tratamento do câncer de mama.
 
Com isso obtém-se um tratamento oncologicamente eficaz e permite-se um efeito estético satisfatório para a paciente, mesmo porque este tratamento permite igualar cirurgicamente a mama contralateral. Nos casos das mastectomias é importante salientar que todas as mulheres têm o direito da reconstrução mamária.
 
O tratamento clínico envolve vários tipos de medicamentos chamados quimioterápicos e hormonioterápicos, cada qual com sua função e efeito colateral.
 
Além disso, existe a radioterapia que deve ser empregada na sequência do tratamento cirúrgico, conservador ou em casos específicos de câncer avançado.
 
De maneira geral é importante dizer que hoje, o tratamento é muito individualizado, portanto cada caso será estudado particularmente e receberá um tratamento específico. Portanto, não se assustem se alguém passar por um tratamento diferente do seu. Lembre-se: cada caso é um caso!
 
Quais os estágios do câncer de mama?
 
Os estádios do câncer de mama são formas que os médicos dão de dar notas para o momento da doença do paciente no caso do câncer de mama são divididos em 5 tipos:
 
Estadio 0: quando a doença esta restrita ao local onde começou (carcinomas in situ)
 
Estadio 1: a doença invadiu a região local, mas possui no máximo 2cm de tamanho (carcinomas invasivos = tem chance de mandar células para outras partes do corpo)
 
Estádio 2: a doença invadiu a região local, mas possui entre 2 e 5cm de tamanho e ínguas pouco comprometidas na axila (carcinomas invasivos)
 
Estádio 3: a doença invadiu a região local, mas possui tamanho maior que 5cm ou ínguas muito comprometidas na axila (carcinomas invasivos)
 
Estádio 4: quando a doença invadiu outras partes do corpo como: ossos, pulmões, fígado, etc

 Como ocorre a reconstrução da mama?

A reconstrução mamária é parte integral do tratamento do câncer de mama. No Departamento de Mastologia e Reconstrução do Hospital de Câncer de Barretos, entendemos que todas as mulheres têm direito de ter suas mamas reconstruídas. Aqui todos os profissionais são mastologistas ou cirurgiões oncológicos com experiência em técnicas de cirurgia reconstrutora.O melhor momento para a reconstrução deverá ser discutido com o médico. Pode ser feita antes ou após a mastectomia.
 
Existem vários tipos de reconstrução:
 
Próteses: são materiais de silicone com forma de mama que são colocados no local da glândula, quando a pele da mama permite;
 
Expansor: são próteses que podem ser enchidas com o passar do tempo, até chegar ao tamanho correto para a paciente. Podem ser substituídas por prótese de silicone ou há tipos que podem ser mantidas de forma definitiva;
 
TRAM: Usa-se o tecido da barriga que é rodado até a mama. É uma cirurgia relativamente grande, indicada para mulheres com mamas volumosas;
 
Grande dorsal: Usa-se o músculo das costas que é rodada para a região da mastectomia, geralmente é associada com uma prótese;
 
Lipofilling: preenchimento de gordura retirada da própria paciente para corrigir defeitos do tratamento cirúrgico das mamas.
 
Existem muitas técnicas que podem ser usadas, assim como diversos resultados obtidos. Quando se sugere a reconstrução para uma paciente, busca-se ajudá-la a resgatar um pouco de sua auto-estima perdida com o tratamento. Contudo, vale dizer que o resultado estético é incerto e muitas vezes não podemos propiciar mamas perfeitas, mas sim possibilidades de que a paciente possa retomar seu convívio social sem que precise ter vergonha de usar uma determinada roupa com medo de expor sua silhueta.
 
A melhor técnica, seus efeitos colaterais e possíveis resultados devem ser exaustivamente discutidos e esclarecidos antes de cada cirurgia com seu médico.

Fonte:http://www.hcancerbarretos.com.br/cancer-de-mama